Autor: FOSFATO

Mineração e o Fechamento de Mina: Dias atuais

Mineração e o Fechamento de Mina: Dias atuais

Muito falamos sobre como irá funcionar o processo da mineração do Fosfato em Lavras do Sul, mas entendemos alguns medos e receios que a população local ainda tem com relação aos impactos que isso irá causar na comunidade após o fechamento do empreendimento.

Os ciclos de mineração que aconteceram na cidade terminaram de maneira abrupta, já que naquela época não estava previsto em lei a obrigatoriedade de um plano para fechamento de mina.

Este planejamento influencia diretamente o modo de vida, a maneira de agir e pensar no mundo social e econômico das comunidades, com reflexos, inclusive, no âmbito da ordem jurídica pós término do projeto. Então, atualmente, o fechamento, é compreendido como um processo que acompanha toda a vida produtiva do empreendimento mineiro.

Durante séculos, as minas simplesmente eram abandonadas. Porém, nas últimas décadas, com o forte movimento ambientalista dos anos 70, que clamava para que as companhias de mineração tivessem responsabilidade com os locais após o término dos projetos, isso mudou.

Naquela época, se a cava final e as barragens fossem cercadas e as aberturas e passagens subterrâneas fossem fechadas, a empresa estava liberada de suas responsabilidades. Restando apenas uma paisagem degradada, o que contribuiu para uma péssima fama das mineradoras com relação ao meio ambiente.

O fechamento de mina é uma etapa que deve conduzir a uma nova forma de uso do solo e de todas as áreas afetadas pela atividade de mineração. Esta etapa deve garantir que os novos usos daquelas áreas, antes ocupadas pelo empreendimento, sejam em primeiro lugar: seguras.

São compreendidas etapas do fechamento da mina o Descomissionamento, que é o conjunto de operações necessárias para garantir uma desativação da mina que possa devolver o local para outros usos pela comunidade; a Reabilitação, onde são reparados quaisquer eventuais impactos sobre o meio ambiente; o Monitoramento e Manutenção onde acontece o acompanhamento dos efeitos posteriores sobre o ambiente, após encerramento da mina, mesmo que tenha sido feita uma reabilitação da área; e por fim o Pós-fechamento que é a liberação da área para outros fins. O fechamento da mina é, portanto, responsável por deixar um legado pós mineração muito importante.

Existem alguns exemplos excelentes de bons planejamentos, um deles é a região do Parque Municipal das Mangabeiras, na cidade de Belo Horizonte (MG), um parque que é considerado a maior área verde da capital mineira e já foi uma mina da qual a antiga empresa de mineração – Ferrobel – extraiu minério de ferro entre as décadas de 1960 e 1970.

Hoje o espaço é habitado por mais de 150 espécies de aves e variedades répteis e anfíbios e 30 tipos de mamíferos, sendo possível avistar micos, gambás, esquilos e quatis. Além da flora variada que reúne bromélias, jequitibá, gabiroba entre outras várias espécies.

Feira retorna ao calendário de eventos após 13 anos

Feira retorna ao calendário de eventos após 13 anos

A Feira Lavrense de Indústria e Comércio (FELAIC) teve sua primeira edição no ano de 1983. Idealizada e organizada pela Prefeitura, na época comandada pelo Prefeito Adão Teixeira da Silveira, permaneceu funcionando por 23 anos.

A FELAIC retorna este ano através de uma parceria entre a Prefeitura de Lavras do Sul e a Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CICS) em grande estilo: com direito a shows, desfiles e o antigo concurso que coroa meninas lavrenses como Soberanas do evento.

O Projeto Fosfato Três Estradas, através do Grupo Nossa Terra, é um dos patrocinadores da FELAIC, porque acredita que a cultura, que se alimenta da arte, da literatura, da música, da dança, da culinária e de tantos infinitos particulares do ser humano deve ser zelada para não se perder.

A Feira acontece nos dias 6, 7 e 8 de dezembro, no Ginásio Municipal Fernando Pellizzer Teixeira com uma vasta programação e a diversidade do comércio local. Excelente momento para aproveitar as promoções e fazer as compras de Natal.

Mulher no campo: trabalho, amor e dedicação

Mulher no campo: trabalho, amor e dedicação

Nascida e criada em uma propriedade rural de Lavras do Sul, Vanuza Lopes Soares Lucas, de 27 anos, nunca pensou em ser apenas a filha do dono. Ela e o irmão, Vítor, 12 anos mais velho, foram acostumados desde muito pequenos a participar das atividades do campo.

Foi sentada debaixo das árvores da casa onde mora com o marido e o filho que ela nos recebeu para falar um pouco sobre o dia a dia de uma mulher da campanha.

“Minha relação com o campo e o cavalo vem desde a barriga da minha mãe. Ela era peão do pai, e por um erro de cálculo trabalhou até o 7º mês de gravidez. Quando fiz um mês já ficava na casinha da inseminação, dentro do carrinho dormindo enquanto eles lidavam” conta orgulhosa Vanuza.

Apesar da grande diferença de idade para o irmão, ela conta que sempre foram muito amigos. “Quando pequena tinha ciúmes dele, mas aos poucos fui entendendo que cada um tinha seu espaço dentro de casa. Eu tinha só 12 anos quando ele casou, então deixamos de conviver diariamente muito cedo, mas nunca deixamos de ser companheiros”.

Não passaria muito tempo para Vanuza também sair de casa. Ela e Ery Jr., seu marido, se conheceram em plena Semana Farroupilha quando a lavrense tinha apenas 14 anos. “Nos encontramos no dia 20 de setembro, um mês depois já estávamos namorando. No dia que completei 15 anos ele me pediu em noivado e um ano depois, com 16, casamos” fala feliz sobre a trajetória ao lado do esposo.

Mas quem pensa que ela se dedicaria apenas às lidas da casa se engana. “Quando estava noiva a mãe me chamava pra aprender alguma coisa de cozinha, um novo prato e tal, e eu imediatamente avisava o pai no galpão: – Fala na frente da mãe que tu precisa de mim para um serviço grande. E lá ia ele, e eu ganhava uma desculpa para ir para o campo”.

Enquanto conversávamos João (9), seu único filho, batia bola em meio a galinhas e cavalos da propriedade. Para Vanuza o nascimento dele significou a realização de um sonho. “Logo que casamos já imaginava a chegada de um gauchinho ou gauchinha. Como o meu sogro já estava doente nesta época, resolvemos que teríamos filho logo, para que ele pudesse conhecer um neto do único filho homem”. E assim foi.

Há 13 anos juntos hoje os três são companheiros das lidas do campo. “Nossa vida é muito simples: acordo quando o dia amanhece, dou comida para os cavalos mansos e arrumo o João para a escola. Há seis anos trabalho na casa de uma família, mas nas terças e quintas fico o dia todo em casa. Daí acompanho o Ery nos afazeres. E sei fazer de tudo, não me aperto em ficar sozinha se precisar”.

Sem muitos luxos, Vanuza conta que não gosta muito de assistir televisão, seu companheiro é o rádio. Mas o que mais gosta de fazer nos finais de semana é participar dos rodeios. Apaixonada por cavalo participa desde pequena de provas campeiras. “Com três anos já montava a cavalo sozinha, com oito já aprendeu a laçar. Meu irmão foi meu maior incentivador e se hoje estou ganhando prêmios em rodeios devo muito a ele”.

Realizada com a participação no evento Mulheres de Ouro, o primeiro da raça crioula exclusivo para mulheres, Vanuza torce para que cada dia mais eventos como este aconteçam. “Merecemos este tipo de evento porque já provamos que podemos participar de igual para igual com os homens, mas ainda somos minoria, então fica difícil se destacar. Fico muito orgulhosa de poder dizer que fui uma das primeiras mulheres em Lavras a participar de rodeios, e este tipo de evento abre portas para que mais gurias aprendam a fazer as provas campeiras”.

Em uma postagem de suas redes sociais ela resume tudo em uma frase da música do grupo nativista Os Monarcas: “Sobre o lombo de um cavalo, de menina me criei. Coração sempre campeiro, desse jeito morrerei”.

Assista ao vídeo da nossa entrevistada.
Projeto Fosfato Três Estradas patrocina evento exclusivo da Raça Crioula feito somente para as mulheres

Projeto Fosfato Três Estradas patrocina evento exclusivo da Raça Crioula feito somente para as mulheres

Lavras do Sul sedia este ano um evento inédito da raça crioula. O “Mulheres de Ouro”, que acontece de 15 a 17 de novembro no Parque do Sindicato Rural de Lavras do Sul. Trata-se de uma iniciativa do Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos de Lavras e consiste em provas voltadas exclusivamente para ginetes do sexo feminino.

A modalidade, apesar de não oficial, terá seu regulamento baseado no da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). A Águia Fertilizantes, através do Projeto Fosfato Três Estradas, é uma das empresas que patrocinam o evento.

Haverá transmissão pelo site e redes sociais da ABCCC, em parceria com o Canal Campeiro. O evento contará com a presença do renomado fotógrafo Fagner Almeida, do cinegrafista do Freio de Ouro, Tuca Gianoti e também da jornalista Estela Facchin, uma estrela da comunicação no setor.

O evento da raça, voltado “só para elas”, ainda apresentará na noite de sábado, às 20h no Parque do Sindicato, o Show da cantora nativista Shana Müller, uma parceria entre o NCCC e a Prefeitura de Lavras do Sul.

A premiação total do evento é de R$ 13.700,00. Confira a programação:

Sexta-feira (15 de novembro)

17h – Raspadinha (Cavalo Crioulo)

Sábado (16 de novembro)

07h30 – Classificatória de Laço (5 voltas)

14h – Etapas do Freio de Ouro

Após: Doma de Ouro

Domingo (17 de novembro)

07h30 – Paleteadas (Regulamento da Força B)

Após: Final do Laço

Águia Fertilizantes participa da Expolavras 2019

Águia Fertilizantes participa da Expolavras 2019

A Águia Fertilizantes esteve por mais um ano presente na Expolavras. A feira, considerada uma das mais importantes da região sul, para o setor do agronegócio, completou em 2019, 75 edições e aconteceu no Parque do Sindicato Rural de Lavras do Sul.

O estande do Projeto Fosfato Três Estradas recebeu os visitantes da forma que já virou tradição: uma boa conversa e muitas informações sobre o empreendimento.

Na sexta-feira (01) o público pode aproveitar um Happy Hour com voz e violão do músico lavrense Bageh, e no cardápio deste ano as delícias produzidas na Estância Velha pela Dona Regina Carvalho.

Nosso sábado (02) foi dedicado às novas informações sobre o Projeto, já que além da notícia da obtenção da Licença Prévia (LP), este mês a Águia Fertilizantes divulgou também uma novidade na 1ª fase do Projeto. Agora estimam-se que sejam 17 anos de produção de um fertilizante natural de aplicação direta, ambientalmente amigável e acessível a pequenos e grandes agricultores.

O domingo (03) foi dedicado à criançada. Logo no começo da tarde o aluno Samuel de Medeiros Sutero, responsável pelo trabalho vencedor da Feira de Conhecimentos do Instituto Estadual de Educação Dr. Bulcão, fez uma apresentação aos visitantes do estande. O estudante criou uma maquete do Projeto Fosfato Três Estradas no mundo virtual do jogo de videogame Minecraft.

Na sequência, pelo terceiro ano consecutivo, a equipe de professoras do grupo Movimento Livre foi responsável pela Contação de Histórias. Em 2019 os pequenos visitantes ouviram uma historinha com o título “O bolo da festa dos animais”. E, literalmente colocaram a mão na massa para fabricarem “cupcakes” personalizados. “A ideia neste ano foi trazer a importância do fosfato na alimentação, e o quanto ele aparece no dia a dia e muitas vezes nem percebemos”, comentou a coordenadora do grupo Marina Tunholi.

Para o Gerente de Geologia do projeto, Lucas Galinari, o estande na Expolavras é sempre um importante espaço de divulgação. “Estivemos nos últimos cinco anos na feira, e é sempre muito proveitoso. Em meados de outubro demos um importante passo para o Projeto – com a obtenção da Licença Prévia – e a Expolavras nos proporcionou, mais uma vez, um importante canal de informação sobre o futuro do empreendimento” destacou Lucas.

Projeto Fosfato Três Estradas promove Roda de Conversa na Expolavras

Projeto Fosfato Três Estradas promove Roda de Conversa na Expolavras

O Projeto Fosfato Três Estradas, realizou na tarde do último sábado, durante a Expolavras 2019, uma Roda de Conversa para falar sobre o empreendimento e principalmente, para apresentar, aos lavrenses e participantes do evento, as mudanças na 1ª fase do projeto que agora prevê 17 anos de produção de um fertilizante natural de aplicação direta, ambientalmente amigável e acessível a pequenos e grandes agricultores.

De acordo com Luiz Clerot, Gerente de Implantação do Projeto, “o empreendimento trará benefícios à cidade de Lavras do Sul, que contará com a unidade de produção no município, ao produtor rural, que contará com um produto de qualidade superior e com custo acessível, e ao meio ambiente que contará com um projeto de mineração de menor impacto ambiental”.

O evento contou com a participação dos engenheiros agrônomos Carlos Renato Barbosa e Bruno Barcellos. Para Carlos Renato são inúmeros os benefícios da utilização desse tipo de produto. “Entre inúmeras vantagens, uma delas é a diminuição dos custos. Já que a interação entre a adubação natural e o controle biológico potencializa a produção”.

Bruno, que é responsável pela Prover, uma empresa de informação produtiva, salientou que antigamente não se tinha esse conhecimento: “tudo o que sabemos agora, através de muitas pesquisas, comprova que esse tipo de adubação soma significativamente e potencializa o trabalho do produtor”.

O Gerente de Geologia do Projeto, Lucas Galinari, destacou a importância destes momentos de esclarecimento à população. “Prezamos muito por essa relação com a comunidade, porque sabemos que manter a transparência sobre o empreendimento é essencial para manter a credibilidade da Águia perante a população local”.

Projeto Fosfato Três Estradas realiza série de atividades na Expolavras 2019

Projeto Fosfato Três Estradas realiza série de atividades na Expolavras 2019

Está chegando a grande feira do agronegócio da região sul! Nos próximos dias, de 31 de outubro a 05 de novembro acontece no Parque de Exposições do Sindicato Rural de Lavras do Sul a Expolavras 2019.

A Águia Fertilizantes patrocina e participa por mais um ano da feira que está em sua 75ª edição e que oferece ao público visitante diversas oportunidades de negócio, remates, provas campeiras, exposições e atividades culturais para todo tipo de público.

Em 2019 o estande do Projeto Fosfato traz para os visitantes da feira informações e atualizações sobre o empreendimento, através da presença de técnicos e representantes da empresa, além de uma programação recheada de atividades.

Na sexta-feira (01) teremos um Happy Hour para oficialmente abrir as atividades do estande, com música ao vivo e no cardápio uma mesa de café campeiro especialmente preparada pela lavrense Dona Regina.

O sábado (02) será o dia da roda de conversa com os engenheiros agrônomos Carlos Renato Barbosa e Bruno Barcelos e os geólogos José Fanton e Luiz Clerot. Na ocasião os profissionais terão a oportunidade de trazer informações atualizadas sobre o futuro do Projeto Fosfato Três Estradas.

Para fechar nossa programação um domingo (03) dedicado às crianças. Teremos Contação de Histórias, Oficina de Cupcake e apresentação de um trabalho que traz como tema o Projeto e foi feito por um estudante lavrense.

Confira a programação do estande do Projeto Fosfato Três Estradas:

Quinta-feira (31)

15h – Montagem e organização

Sexta-feira (01)

18h – Happy Hour / Café Campeiro da Regina Carvalho / Voz Violão

Sábado (02)

16h – Roda de Conversa sobre o Projeto Fosfato Três Estradas (Restaurante do Parque)

18h – Confraternização dos funcionários e familiares

Domingo (03)

12h – Churrasco para convidados

15h às 17h – Serviço com Carrinho de Pipoca

14h – Apresentação do Trabalho: Conhecendo o Projeto Fosfato Três Estradas através do Minecraft com Samuel de Medeiros Sutero

16h – Contação de histórias e Oficina Infantil com o Grupo Movimento Livre

FEPAM LIBERA A LICENÇA PRÉVIA DO PROJETO FOSFATO TRÊS ESTRADAS

A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) emitiu nesta quarta-feira a Licença Prévia (LP) para o Projeto Fosfato Três Estradas da Águia Fertilizantes, em Lavras do Sul. O documento atesta a viabilidade do empreendimento que pretende extrair, beneficiar e comercializar o minério de fosfato de forma inovadora, para elaboração de produtos e matéria prima voltados à agricultura e indústrias de fertilizantes.

“A obtenção da LP representa um marco importantíssimo para o Projeto Fosfato Três Estradas, pois reconhece um trabalho técnico muito cuidadoso na avaliação ambiental e socioeconômica, com total transparência em relação à nossa comunidade de Lavras do Sul e municípios vizinhos” comenta o gerente de geologia do Projeto, José Fanton.

Certa de sua responsabilidade, a empresa Águia Fertilizantes atua integralmente de acordo com as normas e legislações ambientais vigentes no país, e envolveu uma série de profissionais na elaboração dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto do Meio Ambiente (RIMA). Ambos foram elaborados pela Golder Associates, uma empresa com experientes e qualificados profissionais que acompanham todos os passos, visando eliminar ou minimizar os impactos ao meio ambiente.

O próximo passo é a obtenção da Licença de Instalação (LI) e para tal estudos detalhados serão realizados Nessa fase o objetivo é garantir que a obra de implantação seja realizada garantindo o cumprimento de todos os requisitos que condicionaram a viabilidade ambiental do empreendimento e que estão definidos na Licença Prévia emitida.

“É importante citar as parcerias com a Prefeitura de Lavras, com a Câmara de Indústria e Comércio (CICS), com os Sindicatos, Legislativo Municipal e principalmente com a população de um modo geral, que de forma maciça se fez presente na Audiência Pública para dizer sim ao Projeto Fosfato Três Estradas”, observa José Fanton.

O fosfato de Lavras do Sul suprirá, de maneira pioneira e inovadora, parte da demanda do Estado do Rio Grande do Sul e todos os lavrenses terão agora um novo horizonte para sonhar.

Dançando a vida: a história de uma instrutora

Dançando a vida: a história de uma instrutora

Todo profissional possui motivos para se esforçar ao máximo no cumprimento de suas atividades. No caso da técnica em contabilidade Mariana Duarte, 25 anos, é a paixão pela dança que a motiva a sair da cama todos os dias.

Prestes a concluir a formação no magistério, Mari – como é chamada pelos amigos – começou a trabalhar como instrutora de danças muito nova, com apenas 12 anos. “Comecei a dançar em um grupo de CTG aos oito anos, logo que mudamos para Lavras. E então, quando meu instrutor no Lanceiros do Batovi foi embora me passou a tutela do grupo”.

Santa-Mariense de nascimento mas lavrense de coração, a Prenda Adulta do município de Lavras teve que amadurecer muito cedo. “Logo depois que assumi a invernada artística do Lanceiros, perdi minha mãe. Sinto muita saudade, porque éramos muito amigas. Tenho certeza que ela seria minha fiel companheira em tudo o que faço”.

Em 2012, depois de passar por alguns outros grupos, Mariana fundou o Herdeiros de Bravos. “O grupo é a minha vida. Tenho mais ganhos emocionais do que financeiros mas não me vejo sem meus alunos”.

Profissionalmente, no momento Mariana atua como estagiária na Secretaria de Turismo do município, mas dedica – ao lado do amigo Jerônimo – quase 80% do seu dia para a dança.  Eles lideram todos os grupos da invernada artística do recém fundado CTG Marco das Águas, que conta com cerca de 65 alunos. “O CTG tem me trazido uma enorme alegria. Em pouco tempo de trabalho já conquistamos nosso espaço no meio tradicionalista e mostramos que viemos para brilhar, mas sempre com muito esforço e dedicação”.

Mariana, apesar de ainda ser muito jovem e morar com o irmão Matheus na casa da avó, já divide os futuros planos de vida com um companheiro. “Estou com o Nelsinho, entre muitas idas e vindas, há 12 anos e este ano noivamos. Ele é meu grande parceiro, meu companheiro em todas as ideias, mesmo agora, morando em cidades diferentes estamos sempre conectados. Ele é parte essencial no Herdeiros, é ele quem transforma em palavras e músicas as ideias que temos para os grupos”.

Apesar do pouco tempo que resta em seu dia-a-dia, já que além do estágio, do colégio e da instrução aos grupos Mariana também ensaia para participar de concursos de dança, ela ainda acha momentos para se dedicar ao lazer. “Gosto de sair com meus amigos ou aproveitar os momentos de descanso indo pra “fora”, no meio do campo. Mas também adoro assistir filmes baseados em fatos reais e amo ler romances e literatura gaúcha. Porém, atualmente ando fissurada pela história da Alice no País das Maravilhas”.

Dedicada, persistente e inquieta são três palavras que fazem parte do vocabulário dessa “guria” que não espera que as coisas aconteçam ou que caiam em seu colo. “Não tenho nenhum grande arrependimento, sou do tipo que pensa que as coisas acontecem porque tem que acontecer. E eu prefiro fazer as coisas que me dão vontade, do que me arrepender por ter perdido oportunidades. A dança mudou a minha vida, foi minha válvula de escape nos momentos ruins e é sempre minha primeira e melhor opção”.

Começou a 19ª Semana Farroupilha do Ibaré

Começou a 19ª Semana Farroupilha do Ibaré

De 23 a 29 de setembro acontece a 19ª Semana Farroupilha do Ibaré, no 2º Distrito de Lavras do Sul. Tradicionalmente, os festejos da localidade iniciam após o término das comemorações da cidade.

Na noite da última segunda-feira (23) aconteceu a abertura oficial dos festejos e a inauguração da nova quadra coberta da localidade. O evento contou com cerca de 250 pessoas. Em seu discurso de abertura um dos organizadores da comemoração, Antônio Marcos Munhoz Moreira – mais conhecido como Preto do Ibaré – agradeceu a presença do público e afirmou a importância dos patrocinadores: “Sem as colaborações e parcerias a festa não poderia acontecer. Dependemos de cada um que ajuda, seja com dinheiro ou com o trabalho”.

A Banda Marcial do Instituto Estadual de Educação Dr. Bulcão e o Coral da Escola Municipal Odessa Petrarca realizaram apresentações e, posteriormente, o público foi convidado a participar do jantar servido gratuitamente a todos os presentes. “Já é uma tradição da nossa festa servir o jantar, este ano teremos também café da manhã e almoço” informou Preto do Ibaré.

Estiveram presentes no evento representantes de piquetes, vereadores do município, secretários municipais, o patrono da festa Sr. Olavo Umpierre, além do vice-prefeito Sérgio dos Santos e do Prefeito Sávio Prestes.

A Águia Fertilizantes é uma das patrocinadoras da festa porque acredita na importância do apoio às ações, projetos e programas relacionados à cultura das comunidades em que atua.

Confira a programação:

24/09 – Terça-feira

19h30min – Escolha das Prendas e Chinocas do PTG Ibareense

  • Grupo de dança
  • Prêmio para o casal mais bem pilchado da noite
  • Jantar Campeiro

25/09 – Quarta-feira

  • Durante o dia, “Meu Bairro Mais Saúde”, da Secretaria de Saúde de Lavras do Sul
  • Gincana da Escola Odessa Petrarca
    12h – Concurso de comida campeira
    19h30min – Concurso de causos e Poesias Adulto e Infantil
  • Apresentações Artísticas;
  • Prêmio para o par infantil mais bem pilchado da noite
  • Jantar campeiro

26/09 – Quinta-feira

  • Durante o dia: Gincana da Escola Odessa Petrarca
  • 19h30min – Concurso Vanerão e Xote Adulto e Infantil
  • Apresentações artísticas
  • Prêmio para Gaúcho e Prenda de mais idade que estiver pilchados na festa
  • Jantar campeiro

27/09 – Sexta-feira
19h30min – Concurso de Trovas

  • Jantar campeiro
  • Baile com Grupo Depois da Lida

28/09 – Sábado
11h – Encontro da Família Camargo
14h30min – Feira Livre
23h – Grande Baile

29/09 – Domingo
10h – Recepção

  • Espaço Artístico: Trovadores, músicos;
  • 14h30min – Desfile Farroupilha, escolha do Gaúcho e Guri mais bem Pilchado;
  • 17h30min – Entrega da Premiação
  • 18h30min – Encerramento das Festividades

OBS: A organização do evento não emprestará talheres e pratos. Para o jantar, serão distribuídas fichas pela ordem de chegada.