Mining Tech & Biz Talks

O Projeto Fosfato Três Estradas foi um dos temas abordados, na noite de terça-feira (25), durante o Mining Tech & Biz Talks, evento realizado na Fábrica do Futuro, em Porto Alegre, que debateu temas como o futuro energético do país e as novas tecnologias na mineração. Durante mais de três horas, acadêmicos, empresários e especialistas de diferentes setores conversaram sobre o futuro energético do Rio Grande do Sul e o papel fundamental da mineração para o crescimento econômico do Estado.

Professor do Departamento de Engenharia de Minas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), o engenheiro Jorge Dariano Gavronski foi um dos palestrantes do evento e destacou o interesse nas jazidas de fosfato do Estado pela alta demanda de fertilizantes para o agronegócio.

“A mineração é o elo inicial de todos os insumos para construção civil, infraestrutura, construção pesada e indústria de transformação. No caso da jazida de Lavras do Sul, esta não apenas reduziria a necessidade do Estado de importar fertilizantes, como abriria a possibilidade de o RS se tornar um exportador”, destacou.

O especialista ressaltou, ainda, que o setor de mineração conta com grandes avanços tecnológicos que garantem uma redução significativa nos impactos ambientais, sendo um dos grandes focos de desenvolvimento, de atração de empregos e investimentos.

 Participando como ouvinte, o prefeito de Lavras do Sul, Sávio Prestes, aproveitou o momento de bate-papo para comentar que, desde eleito, há dois anos, passou a aprender sobre a mineração e a reconhecer o papel fundamental do setor.

“Acompanhando o projeto da Águia Fertilizantes a partir do trabalho de comunicação feito pela empresa Nano BizTools, compreendi que é preciso enxergar este setor como algo fundamental para o desenvolvimento social e econômico, ainda mais em uma cidade como Lavras do Sul, que se originou a partir da mineração. Cimento é feito de mineração, areia é feita de mineração, quem anda de automóvel depende da mineração. Há uma distorção total sobre o tema, que hoje em dia está ideologizado. É preciso cada vez mais levantar a voz e mostrar o real papel da mineração no Brasil e no mundo”, finalizou.