perspectivas de futuro

O Projeto Fosfato Três Estradas tem uma vida útil estimada em 50 anos. E para atender condições específicas de mercado será dividido em três fases distintas: a primeira com duração de 4 anos terá a produção do concentrado de fosfato a partir do beneficiamento do minério oxidado. A segunda fase, cuja previsão está estimada em 19 anos, ocorrerá o beneficiamento do carbonatito. Nessa fase, também será iniciada a produção de um calcário agrícola de alta qualidade com o seu excedente acumulado na barragem. E uma terceira e última fase, com 27 anos, em que se dará a retomada do calcário estocado na segunda fase.

 

Para o período de implantação, previsto para 2 anos, estima-se a contratação de 700 pessoas. E durante a etapa de operação a mão de obra direta prevista será de, aproximadamente, 320 pessoas, fora os empregos indiretos.

 

Com o início das atividades do Projeto será disponibilizado para o mercado do Rio Grande do Sul uma importante fonte de fosfato, um insumo indispensável para a fabricação de fertilizantes, que hoje é 100% importado. Toda a produção de fosfato deverá ter como destino o porto de Rio Grande, onde estão concentradas as principais indústrias de fertilizantes do estado.

 

O Projeto Fosfato criará um ciclo econômico regional: uma matéria prima do estado, utilizada por indústrias do estado e que servirá a agricultores do estado.